Em caso de acidentes com seu cão, saber o que fazer para salvá-lo, antes de ter tempo de socorrer com atendimento veterinário, é de extrema importância.

   Os casos mais comuns são: atropelamento, envenenamento, cortes ou feridas, convulsões, picadas de inseto, queimaduras, entre outros.

      Primeiramente deve-se manter a calma, para poder fazer os procedimentos necessários sem cometer erros que possam prejudicar ainda mais o estado do cão. Tome cuidado quando for se aproximar do animal, pois com dor podem se tornar agressivos.

1-) Atropelamento

                A remoção deve ser feita com muito cuidado, para que nenhum movimento errado piore os ferimentos. Coloque-o em um papelão ou uma tábua e tente imobilizar para transportá-lo com segurança.

                Se o cão estiver com hemorragia, pressione o local com um pano, fazendo o estancamento do sangue.

                O cão, nesses casos, deve ser levado imediatamente ao veterinário.

2-) Queimaduras

                Em casos de queimadura, nunca coloque nenhuma substância e nem cubra a ferida.

                Queimaduras superficiais, lavar a lesão com soro fisiológico frio. Em casos mais graves, por ser muito doloroso, levar imediatamente ao veterinário, pois o procedimento deve ser feito com anestésicos.

3-) Envenenamento

                Observar os sinais clínicos: salivação excessiva, vômito, diarreia, olhos lacrimejantes, agitação, sonolência, hemorragia, tremores, dificuldades respiratórias e alterações dos batimentos cardíacos.

                Os sinais dependem muito do tipo de substância e quantidade que foi ingerido. Os mais comuns são: produtos de limpeza, inseticidas, plantas e agrotóxicos.

                Lembre-se de levar a embalagem do produto ou substância que o cão ingeriu para o veterinário saber o tipo de tratamento adequado.

                Jamais tente medicar seu cão, pois pode estar piorando seu estado.

4-) Cortes ou Feridas

                Feridas superficiais pode-se fazer um curativo, limpando o local com água e sabão, passar água oxigenada e antisséptico e tampar com uma gaze.

                Feridas profundas devem ser tratadas pelo médico veterinário. Até chegar ao atendimento pressionar o ferimento com uma gaze ou pano limpo, para estancar o sangue.

5-) Convulsões

                Nesses casos, colocar o animal em um local seguro, macio, sem objetos por perto, para que não se machuque quando se debater. Mantenha o local em silêncio, pois muito barulho agita ainda mais o cão. Mantenha-o aquecido.

                Normalmente as convulsões duram de dez segundos a três minutos. Aguarde a crise passar.

                Para maiores esclarecimentos e saber se o cão vai precisar de medicamentos, levá-lo ao veterinário.

6-) Engasgo

                Os sinais que os cães demonstram quando estão engasgados são: o animal limpa a boca com as patas, tem dificuldade de respirar, palidez, língua ou mucosas azuladas, agonia e desmaios.

                Para ajudá-lo, tente acalmá-lo. Abra a boca do cão pressionando os lábios entre o dedo e os dentes para que respire melhor e verificar se não tem nenhum objeto, causando obstrução.

                Caso não consiga ver algum objeto, se o cão for pequeno, pegue-o pela pernas traseiras e vire-o de cabeça para baixo e chacoalhe devagar.

                Quando o cão for grande, deite-o no chão e vire-o de lado. Coloque a mão atrás do seu tórax e faça um movimento apertado para baixo. Solte um pouco e repita o movimento várias vezes.

7-) Picadas de inseto

                A maioria das picadas de insetos são inofensivas para cães, mas há casos que podem manifestar uma reação alérgica, causando inchaço, dor nos músculos e na área afetada, vômitos, fraqueza, febre e choque.

                Nos casos mais graves que levam o animal ao choque, onde as gengivas ficam pálidas, batimento cardíaco e respiratório acelerados, deve-se levar imediatamente ao veterinário.

😎 Dicas importantes

                Respiração artificial – com sua mão, feche a boca do cão segurando o focinho. Eleve a cabeça do cão e encoste sua boca em seu focinho. Sopre nas narinas até perceber que o peito do cão estufe. Deite a cabeça do cão e faça uma pressão no peito para que o ar saia. Em cada minuto, repita este procedimento de 8 a 10 vezes.

                Massagem cardíaca – deitar o cão sobre o lado direito. Coloque a palma da mão sobre o coração do cão. Faça uma pressão rápida sobre a região e solta. Massageie por um minuto, até perceber que os batimentos voltaram.

                Kit de primeiro socorros – tesoura, pinça, luvas, gazes, toalha, cobertor, esparadrapo, termômetro, solução antisséptica, água oxigenada, papelão para imobilização.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA